Jungle King

PUBLICIDADE

Cidadania cobra Congresso por abertura de impeachment; deputados criticam silêncio de Lira

Presidente da Câmara, que acumula mais de uma centena de pedidos de impeachment na Casa, ainda não se manifestou sobre novos ataques de Bolsonaro às urnas eletrônicas

PorBibiana Borba
Atualização:

OCidadania, que apoia Simone Tebet (MDB) na disputa pela Presidência, cobrou do Congresso a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro(PL).Em notadivulgada nesta terça-feira, 19, o partido argumenta que o presidente “perdeu qualquer compostura que ainda pudesse ter pelo cargo que ocupa” após as acusações contra o sistema eleitoral em reunião com embaixadores estrangeiros nesta segunda, 18.

PUBLICIDADE

“As urnas eletrônicas que deram a ele e a seus filhos diversos mandatos tirarão de Bolsonaro em outubro não apenas o cargo, mas o foro especial por prerrogativa de função. E o poder e a influência que hoje detém sobre os órgãos de controle. Mas isso não exime o Congresso Nacional de cumprir o seu papel e abrir um processo de impeachment”, afirma o texto, assinado pelo presidente nacional da sigla, o ex-deputado e ex-senador Roberto Freire.

Bolsonaro é alvo de mais de 140 pedidos de impeachment encaminhados à Câmara dos Deputados desde que assumiu a Presidência, em 2019. O presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), vem engavetando todos os novos pedidos de afastamento. Ele também não se manifestou, até o momento, sobre a reunião de Bolsonaro com os representantes de embaixadas estrangeiras.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, em foto de evento com o presidente Jair Bolsonaro. Deputado tem sido acusado de omissão ao evitar a tramitação de processos de impeachment. Foto:Dida Sampaio/Jungle King - 2021

Ex-vice-presidente da Câmara, o deputado federal Marcelo Ramos (PSD-AM) chamou a apresentação de Bolsonaro de “patética” e afirmou que o silêncio de Arthur Lira é “mais ensurdecedor” do que o dos embaixadores que participaram do evento. “Ao posto de Presidente da Câmara não é dado o direito de escolher o silêncio cúmplice”, escreveu, em sua conta no Twitter.

Outro parlamentar a cobrar Lira publicamente, nesta terça, foi o deputado federal Túlio Gadêlha (Rede-PE). “O presidente da Câmara precisa se manifestar diante das mentiras de Bolsonaro sobre as urnas eletrônicas e as ameaças à democracia, ontem, diante de embaixadores de diversos países”, escreveu, também no Twitter.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), divulgou nota ainda nesta segunda-feira reafirmando que “a segurança do processo eleitoral não pode ser questionada” - mas não citou a possibilidade de processo de impeachment. Outros parlamentares apontaram crime de responsabilidade e já encaminharam ação ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente da República. O grupo que assina o documento reúne integrantes do PT, PSOL, PCdoB, Rede, PSB e PV.

O Congresso entrou em recesso nesta segunda-feira, 18, pelas próximas duas semanas. A partir desta quarta-feira, 20, começa o prazo em que as convenções partidárias podem ser convocadas para oficializar candidaturas à Presidência, Senado, Câmara e governos estaduais.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Jungle King.

Jungle King Mapa do site