Captain's Bounty

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Nutrição, exercício e comportamento

Opinião|Gengibre? Canela? Não existe produto capaz de acelerar o metabolismo; fuja dessas promessas

Não existe nada no mercado capaz de aumentar o gasto energético e, mesmo se existisse, o ideal seria evitar; entenda o porquê e saiba se o metabolismo realmente fica mais lento com o tempo

PUBLICIDADE

Foto do author Desire Coelho
Atualização:

Quantas vezes você já foi impactado por promessas de produtos ou estratégias para acelerar o metabolismo, de cápsulas a especiarias, como gengibre e canela? O apelo disso tem a ver com o pressuposto de que, aumentando o gasto calórico, seria possível facilitar o emagrecimento. A má notícia é que não existe nada capaz disso. Já a boa notícia, curiosamente, é que precisamos até agradecer o fato de essas táticas não funcionarem! Para entender por que não é desejável acelerar o metabolismo, precisamos, primeiro, compreender o que ele representa.

O metabolismo engloba todas as reações químicas do organismo, que são essenciais à manutenção da vida. Turbinar o gasto energético implicaria intensificar essas reações. Isso poderia acarretar, veja só, no envelhecimento precoce devido à aceleração dos processos corporais naturais. Dessa maneira, o apelo de aumentar o gasto de energia usando essas estratégias é, no mínimo, um engano.

A canela sempre é descrita como uma especiaria capaz de acelerar o metabolismo e o gasto energético. Mas não é bem assim. Foto:pilipphoto/Adobe Stock

Mas sinto que meu metabolismo é lento. O que fazer?

PUBLICIDADE

Essa queixa é muito comum, especialmente por parte de pessoas na faixa de 30 a 40 anos, que relatam uma maior dificuldade em perder peso – devida a um suposto “metabolismo lento”.

Emum estudo com mais de seis mil participantes, desde recém-nascidos com 8 dias de vida até idosos com 95 anos, pesquisadores usaram o melhor método científico conhecido atualmente para avaliar o gasto calórico: um marcador por isótopos chamado água duplamente marcada. Durante esse estudo, observaram que o gasto energético se mantém estável durante a maior parte da idade adulta e começa diminuir de modo significativo apenas por volta dos 63 anos de idade.

Porém, considero que o dado mais importante revelado por essa pesquisa é que a variação no gasto energético está mais relacionada à quantidade de massa magra do indivíduo do que à idade em si. Quanto mais massa magra, maior o gasto de energia.

Publicidade

Já ouviu falar em sarcopenia? Trata-se de um processo progressivo de perda de massa magra – e, consequentemente, de perda de força muscular – que, em geral, acomete as pessoas após os 40 anos. Se não tratada, a sarcopenia pode levar a uma redução de até 26% de massa magra perto dos 90 anos.

Os autores comentam que a percepção de um metabolismo mais lento é resultado de uma redução na atividade física diária, e não de uma alteração no funcionamento do organismo. Os adultos têm um comportamento diário mais sedentário do que jovens.

De olho nisso, avalie quantas horas você passa sentado e/ou deitado em comparação com o tempo que se mantém ativo no dia a dia. Os números costumam ser preocupantes, ainda mais para um corpo que, dentro da sua história evolutiva, sempre esteve em movimento.

Para aqueles que desejam “acelerar” o metabolismo, a solução é simples: preserve e, se possível, aumente sua massa magra. Entenda que não é o metabolismo que está lento: lento mesmo é o dono do metabolismo!

Opiniãopor Desire Coelho

Nutricionista e bacharel em esporte, doutora e mestre em Ciências pela USP, especialista em transtornos alimentares e em análise do comportamento. É autora do livro “Por que não consigo emagrecer?” e coautora do livro “A Dieta Ideal”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Captain's Bounty.

Captain's Bounty Mapa do site